quarta-feira, 6 de julho de 2011

DIÁRIO DE UMA BAD GIRL (2ª TEMPORADA) - 5


Terça-feira, 05 de Julho de 2011

Querido Diário Macabro,
Você nunca, nunquinha, poderia imaginar o que me aconteceu...
Eu sei que na minha vida acontece de tudo, mas dessa vez foi fod...!!!
Tá ok, sem palavrão!
Eu estava na minha, indo pra casa com a minha amiga Selly, quando André pulou na nossa frente (literalmente) jogando uma notícia daquelas, como uma bomba: uma garota do colégio corria perigo.
É claro que nós duas o apertamos para fazê-lo falar:
- O que houve, garrroto? - Indago.
Ele balançou a cabeça, deixando claro que não tinha nada a ver com a história.
- Eu escutei, assim, por acaso...
Respirei fundo.
André Adornetto era o vampiro que mais gostava de ouvir fofocas que eu já conheci.
- Fale logo! – Pressiona Selena, impaciente.
- Uma garota da escola vai sair com um lobisomem, é tudo o que eu sei!
Franzo o cenho.
- Você quer dizer um Filho da Lua, não é?
- Não! – Diz ele, irritado. – Um lobisomem de verdade, sabe? Carnívoro, monstruoso, Lua Cheia... Não meninas de mini short que viram cachorrinhas.
- Hei! – Resmunga Selly, com o rosto vermelho.
- Quem, quando, onde?! – Insisto. – Tem um lobisomem em Fatalville?
André me encarou.
- Há vários, Stacy. Eles estão escondidos por aí, aguardando a próxima Lua Cheia para tocar o terror na cidade.
Aquela informação me fez gelar por completo.
- E como você sabe que a garota vai sair com ele? – Pergunta Selly. – E, afinal, como sabe que o cara é um lobisomem?
- Me lembro dele. Ele era da turma do Scorpion.
- Maldição! - Digo, trincando os dentes. – Mais uma do Scorpion!
- Quanto à garota – continua André. – Ela é bem gostosinha, sabe? Caroline Fox.
Selly e eu nos entreolhamos.
- Você quer dizer Courtney Fox, não é?
André me encara.
- Ahn..? Ah, isso mesmo! Courtney.
Beleza.
Quando eu viro vampira e minha melhor amiga vira loba, as duas fortes e capazes de se defender, Scorpion arma pra Courtney, minha amiga de infância!
- Oh my god! – Exclama Selly, como sempre. – Quando é a próxima Lua Cheia?
André nos encara.
- Amanhã.
Infernoooooooo!!!
***
Ontem (segunda-feira), na escola, a primeira coisa que Selena e eu fizemos foi procurar Courtney. De repente me senti meio culpada, já que com todo esse lance de vampira, beber sangue e ter um namorado eu nunca mais parei para conversar com Courtney.
Selly também não, já que agora ela tem amigos (e um namorado) que também viram lobos.
Então a gente não deveria ficar tão surpresa em encontrar Courtney andando com uma garota estranha, que a gente nunca tinha visto antes.
- Oi, garotas! – Exclama Courtney, dando uma piscadela. – Essa é a Sheba.
A garota era magra e pálida, do tipo esquisitona.
(Obs.: Olha quem fala, a própria Noiva do Demônio!)
- Olá, Sheba! – Digo, tentando sorrir. – Hei, Courtney! Precisamos dar uma palavrinha com você!
Selly pega Courtney pelo braço e começa a arrastá-la para o banheiro feminino.
- Tenho certeza de que a Sheba não se importa de emprestar você pouquinho! – Exclama ela.
O banheiro, por sorte, estava vazio.
- Já sei o que vocês querem saber! – Diz Courtney, batendo palmas animadas.
Selly abre um sorriso duro e forçado.
- Sabe, é?
- Yes! – Diz Courtney, explodindo de animação. – Vocês ficaram sabendo da minha festa de hoje à noite e vieram perguntar por que eu não as convidei, não é?
Heim? Que festa?
Também forço um sorriso, correndo o risco de deslocar meu maxilar.
- Isso mesmo! Você adivinhou, garrrota!
- É! – Diz Selly, entrando na jogada. – Queremos saber da sua festa! Você vai nos convidar?
Courtney sorri.
- Mas é claro! Claro que vou convidar as minhas duas amigas favoritas!
Dou uma gargalhada seca e dou um tapa na minha perna.
- Puxa, vida! Valeu, Courtney. Nos desculpe por não termos nos falado ultimamente, mas sabe, é que...
- Namorados! – Exclama Selly. – Eles ocupam todo o nosso tempo!
- Ah, entendo! – Diz Courtney. – Eu estava exatamente esperando que vocês viessem falar comigo. E espero que o Ross e o John apareçam lá em casa hoje, também.
- Claro! – Digo. – Mas, uma coisinha... E você, amiga? Tem um namorado ou alguém especial?
Courtney revira os olhos.
- Tá difícil. Eu estava pensando em aceitar o convite para sair com André Adornetto...
- André! – Exclama Selly, juntando as mãos e rindo duro outra vez. – Não, não... Ele é um caso perdido!
- Total! – Concorda Courtney. – O cara é um mala... E muito galinha, pro meu gosto. Mas conheci um rapaz ontem.
- Quem? – Pergunto, fingindo animação.
- O nome?! – Cantarola Selena.
- Apareçam na festa hoje (vai começar às oito horas)! E eu vocês vão ver... Bye, girls!
Ela saiu do banheiro, e Selena e eu nos entreolhamos, desanimadas.
- Ótimo! – Exclamo. – Lobisomens!
Selly se senta na bancada, ao lado de uma das pias.
- Que encrenca, amiga...
Vejo André entrar no banheiro com uma expressão de descrença no rosto.
- Um mala? Galinha? Francamente! – Reclama ele.
- Escuta – Começa Selly. – Você não tem princípios, não? Escutar conversa alheia e entrar no banheiro feminino?
Ele parou para pensar.
- Isso é não ter princípios?
- Sim. – Replica Selena.
Ele dá de ombros.
- Quando é o Edward Cullen escutando pensamentos por aí, todas as meninas suspiram. E aposto que se ele entrasse no banheiro feminino para surpreender Bella Swan, todo mundo ia achar lindo! Mas quando sou eu, nãooo! André Adornetto é isso e aquilo...
Selly e eu o encaramos.
- Pare de querer se comparar com vampiros do cinema! – Pede Selly.
- É. – Concordo. – Principalmente com os de bom caráter.
André olha de Selly para mim.
- Pois eu vou provar pra vocês que posso ser bom caráter. E mais: sua amiga Courtney ainda vai cair aos meus pés, assim como vocês duas.
 Caio na gargalhada.
- Ah, sim!
André dá um sorriso sarcástico.
- Ora, já peguei as duas!
Mas que filho da mãe!
Ele se mandou rapidinho, pois ameacei atirar um sapato na cabeça dele.
***
- O que acha? – Pergunto para Ross.
Dou mais uma volta na frente do espelho, tentando examinar o vestido preto de todos os ângulos.
- Bonito. – Diz ele, e o observo pelo espelho, sentado na minha cama. – Mas acho que falta um pedaço dele.
Me viro para encará-lo diretamente.
- Não seja pervertido. – Peço. – É só um vestido de festa. Não quer exibir sua namorada?
Ele ergue uma sobrancelha.
- Eu posso ir sem camisa?
Rio.
- Se você for sem camisa, eu vou de biquíni.
Ele balança a cabeça, em sinal de derrota.
- Tá ok. Fico com a camisa.
Suspiro, prendendo as fivelas da sandália.
- Nossa primeira festa juntas, e vamos caçar lobisomens.
- Hei, nos conhecemos em uma festa. – Diz Ross. – Lembra? Eu te salvei do Jasper. E você tinha lindos olhos azuis e cabelos escuros.
Dou uma risada baixa.
- Você me traiu com Lauren Fox naquela noite!
Ele sorri, mas vejo sua expressão preocupada.
- Stacy, não acho uma boa ideia você se arriscar. Deveria ficar aqui. John e os lobos vão estar lá para me ajudar com os lobisomens.
Reviro os olhos.
- O único que deveria ficar em segurança é você, Ross. Não sou humana, lembra? Então não vem querer bancar o macho-alpha comigo.
- Eu sou treinado para matar monstros. – Responde ele. – Mas e se Scorpion estiver vivo? E se ele aparecer? Não posso vê-la nas mãos dele de novo, Stacy.
Pouso o dedo indicador sobre os lábios dele.
- Não diga nada, Ross. – Sussurro. – Vai dar tudo certo. Por que nós estamos juntos.
Me inclinei para beijá-lo.
Era bom sentir a respiração dele...
- Stacy... – Diz ele, depois que nos afastamos. – Ainda é difícil para você controlar a sede pelo meu sangue?
Dou de ombros.
- Um pouquinho. Mas tento me focar mais em controlar outras coisas. – Brinco. – Falando sério, agora... Eu amo você, Ross. E não vou machucá-lo. Nunca mais vou mordê-lo.
- Mas e se eu quiser?
Olho para ele, sem entender.
Ele me dá um daqueles sorrisos sexy.
- Tá bem! – Digo. – O que você quer, Ross Christie, que eu dê um chupão nesse seu pescoço bronzeado?
Ele balança a cabeça.
- Não, Stacy... Só achei que talvez você quisesse me transformar.
Congelei.
Ele não podia estar falando sério.
Encaro Ross, imaginando-o como um vampiro.
Aquele rosto perfeito perderia um pouco o tom do bronzeado, e os olhos escuros ficariam mais brilhantes.
A maneira que o cheiro dele não seria mais tão tentador...
- Seu atrevido – digo, apertando a bochecha dele. – Acha mesmo que eu não sou capaz de me controlar? Veremos. Nunca pediria que fizesse isso por mim!
Nesse minuto minha mãe bate na porta e eu dou um pulo, enquanto Ross prende a respiração.
- Stacy, vai se atrasar! – Grita ela, e escuto seus passos se afastando.
Respiro aliviada.
- Já estou descendo!
Olho para Ross que já se encaminhava para a janela aberta.
- Vou esperar no carro.
Encolho os ombros.
- Desculpe por isso.
Ele apenas me dá uma piscadela antes de desaparecer no breu da noite.
***
- Aimeudeus! – Exclamo. – Sempre quis uma dessas!
- Eu também! – Diz Selly, mordendo os lábios enquanto examinamos encantadas nossas pistolas novas.
Ross e John apenas se entreolharam.
- Cuidado com as balas de prata. – Avisa Mia. – São difíceis de arranjar.
Selena e eu assentimos, tentando conter nossa empolgação.
 - O plano é o seguinte. – Começa John. – Stacy, Ross, Selena e eu entramos na festa e vamos circular por ali, de olho em qualquer atividade suspeita. Mia e Pérola ficam de ouvido em qualquer conversa que possa chamar a atenção, principalmente entre as garotas.
Pérola assentiu, mas Mia revirou os olhos.
- Chatice! – Exclamou ela, mas John ignorou.
- Drake e Logan – continuou ele. – Vocês vão monitorar as entradas. Quando encontrarem alguma pista, façam o possível para avisar o resto do grupo. Lembrem-se: Temos que localizar esses lobisomens antes da meia-noite.
A voz de André nos interrompeu do nada.
- E o que eu faço?
- Ficar fora do caminho seria bom. – Diz Ross, olhando pára o céu estrelado onde a Lua Cheia pouco a pouco surgia.
Vejo André encarar Ross de forma ameaçadora.
- Você podia circular por aí, André. – Digo, antes que os dois saíssem por aí se esfaqueando. – E avisar caso veja alguma coisa suspeita.
Assim, dei a mão para Ross e John segurou a mão de Selly, e nos encaminhamos para a porta. Dava para ouvir a música e ver as silhuetas dos adolescentes loucos dançando através das cortinas.
Eu conseguia ver nossos reflexos na vidraça da porta.
Alguma coisa estava errada.
Logo percebi o que era.
Parecíamos casais de filmes de espionagem, e não adolescentes na faixa de dezessete anos. No mínimo, aparentávamos todos ter a idade de John.
Iríamos nos destacar de longe no meio daquela festa, e isso não era bom.
- Vamos lá, pessoal! – Sussurro, enquanto alguém abria a porta. – Tentem parecer... Adolescentes normais!
Courtney abriu um largo sorriso ao nos ver.
- Vocês vieram! – Exclama ela.
- Como iríamos perder essa? – Digo, tentando usar meu tom mais descolado.
- E aí, Courtney? – Diz Ross, com um aceno. – Festa maneira.
- Parabéns, amiga – diz Selly, dando um beijo na bochecha de Courtney. – Já vi que a festa está um arraso!
Courtney tira uma mecha do cabelo curto do olho e nos dá uma piscadela.
- Guardem meu lugar na pista de dança. Vou esperar mais alguns convidados e já já me junto a vocês!
- Demorou. – Digo, em tom animado, enquanto Ross e eu nos encaminhamos para a mesa de bebidas.
Viro uma taça de primeira.
Ross a tira da minha mão.
- Vai com calma, Stacy.
Ergo uma sobrancelha.
- É refrigerante, Ross.
Ele faz questão de sentir o cheiro da soda antes de me devolver a taça.
- Escute – digo, irritada. – Como vamos nos divertir um dia se você não parar com essa sua mania super protetora o tempo todo?
Ele me encara.
- Não viemos nos divertir hoje – diz ele – E só estou garantindo que você fique legal. E Stacy, afinal, quem é que foi tentar me ajudar em uma briga de gang?
O encaro com os olhos semicerrados.
- Não compare as duas coisas, Ross Christie.
Percebo algumas garotas nos observando com curiosidade do outro lado da mesa.
Mais do que rápido, puxo Ross para a pista de dança.
- Te devo uma. – Digo. – Desde que empurrei você na festa da Selly.
Ele dá um meio sorriso enquanto tentamos nos remexer no ritmo daquela música de doidos. O que houve com o bom e velho rock?
Quando aquele barulho estranho acabou, começamos a circular pelo salão.
Vimos Logan quando passamos por uma janela.
- Alguma novidade? – Pergunta Ross.
- Nenhuma. – Responde Logan.
Continuamos a circular entre os casais animados e risinhos, tentando rir e trocar alguns beijos de vez em quando para disfarçar nosso nervosismo.
Já era nove e meia... Tínhamos tempo, mas quanto mais rápido encontrássemos os lobisomens, melhor.
Cruzamos com Selly e John, com seus copos de refrigerante, que fingiam conversar sobre bobagens de namorados.
De repente senti um aperto gelado no meu braço.
Era André.
- Sua amiga Courtney está com o lobisomem.
- Onde? – Indago, alarmada.
- Na porta dos fundos.
Olho para Ross e fomos na direção apontada por André, o mais rápido que podíamos.
Mas paramos a poucos metros da porta aberta, já que a única coisa que vimos foi Courtney conversando animadamente com Drake.
Reviro os olhos e me volto para encarar André.
- Seu idiota! Drake é apenas um Filho da Lua! Ele jamais faria alguma mal para a Courtney!
Mas percebo uma sombra no olhar de André, e ele me pareceu quase ameaçador.
- Se eu fosse você, não teria tanta certeza disso.

CONTINUA

Um comentário:

  1. Uau,vc sabe deixar o leitor ansioso para ler o próximo,tente usar isso ao máximo!

    ResponderExcluir