segunda-feira, 10 de outubro de 2011

DIÁRIO DE UMA BAD GIRL (3ª TEMPORADA) - 9

Segunda-feira, 12 de Outubro de 2011

 Querido Diário Macabro;
Eu sabia que tinha que ir, já que o tiro fez com que os capangas de Scorpion se alarmassem pelo prédio, e logo vários apareceriam com estacas e alho.
Ele se apoiou em uma parede, fechando os olhos e respirando com dificuldade.
Cheguei bem perto, de maneira que meus lábios quase encostaram no ouvido dele quando sussurrei:
- Agora eu dito as regras nesse jogo. Vou te perseguir como uma assombração até vê-lo chorar, amaldiçoar o dia em que cruzou o meu caminho. Achou que eu era só uma garota vampira, uma adolescente apaixonada e cega? Não, não... James P. Scorpion: Eu sou uma Bad Girl.
- Como você sabia? – Sussurra ele, abrindo os olhos. – Como descobriu tão rápido?
Sorrio.
- Como descobri que aquele cara não era Ross? Simples detalhes: Ross não tem medo da minha pele fria, não esqueceria o nome do sobrinho dele, beija muito bem... E, acima de tudo, me ama. Ah, e no lugar desse seu clone, Ross me mandaria meter bala, mesmo que isso o matasse.
Ele me encara.
- Era um plano perfeito. – Sussurrou Scorpion. – Era uma clonagem humana... Perfeita.
- Não. – Respondi. – Para chegar perto do original, faltou muito. E falando em original, onde está o meu Ross Christie?
Ele sorriu, e eu arranhei o rosto dele como se tivesse unhas de gato, deixando três cortes sangrando, no mesmo instante em que caras armados entraram no saguão e eu tive que pular uma janela, quebrando vidro e aterrissando bem perto de onde eu tinha escondido a moto.
Eles atiraram, mas não me acertaram: subi na moto e pisei fundo, de forma que o mundo se tornou uma confusão de cores ao meu redor.

***

Hoje eu coloquei em prática a parte 2 do meu plano.
Scorpion já sabia que eu voltaria, mas provavelmente esperava que eu atacasse no fim da tarde ou pela noite, como de costume.
Então, nem é preciso dizer que ele ficou bem surpreso em me ver às seis da manhã.
Dessa vez, fui até o esconderijo dele a pé mesmo, caso houvesse vigias na estrada.
Eles nem me viram entrar.
Estavam praticamente dormindo em pé.
Às seis da manhã, o despertador de James. P. Scorpion tocou e foi hilário o pulo que ele deu quando me viu sentada em uma poltrona do quarto dele, lendo um jornal com uma caneca de sangue na mão.
- Bom dia – eu disse, sem tirar os olhos do jornal. – Trouxe seu café.
Ele olhou para mim e para a bandeja de torradas e café quente na mesa de centro.
- Pode comer – continuei. – Juro que não envenenei nada. Afinal, não teria graça. Tenho planos melhores para você.
Ele riu, tentando disfarçar a insegurança.
- Stacy Ricce, que bela surpresa! – Exclama. – Está aqui atrás do seu namorado, como sempre?
- É, como sempre – respondo, me levantando. – Mas, como nunca, tenho meus cúmplices e armei o tabuleiro dessa partida, Scorpion. A partida final. Xeque mate.
Percebo que ele empalideceu.
Vejo-o colocar o casaco e o chapéu, e chego a sorrir ao ver o curativo no rosto dele, onde eu deixei os arranhões ontem.
Do outro lado do rosto dele ainda havia a queimadura, também provocada por mim.
Hmm... Como eu sou má!
- Você não vai escapar. – Diz ele, colocando as botas de caminhada. – Como acha que os meus homens irão reagir quando a verem? Chumbo, minha cara Ricce!
- E quem disse que eles vão me ver? – Indago.
Scorpion ainda não tinha notado minhas lentes de contato azuis, mas sacou tudo quando me viu colocando a peruca de cabelo escuro.
Tanto a lente quanto a peruca eram as ferramentas que Courtney havia usado uma vez para que eu entrasse na festa de Selly sem ser reconhecida, na noite em que conheci Ross.
Sorrio para Scorpion, que permanecia calado.
- Prazer, Lauren Fox. – Digo, indo até ele e abraçando-o de forma que o cano frio da minha pistola 9 milímetros encostasse nele sem ser vista por baixo do casaco. – Só mais uma de suas amantes, saindo para um passeio para conhecer a Liga do Escorpião. Uma gracinha, e estouro você. Vamos?
Scorpion suava frio enquanto eu o conduzia pelos corredores do seu próprio esconderijo, sorrindo e cumprimentado com um gesto os capangas que passavam por nós.
Reconheci André, com um uniforme de faxineiro, Logan fazendo a ronda do andar com uma arma nas mãos, e duas secretárias que na verdade eram Mia e Pérola.
Não sei se Scorpion percebeu esses detalhes, mas ele suava cada vez mais, e se trocava um único olhar com seus capangas, eu pressionava mais ainda o cano da arma na pele dele.
Enfim chegamos a um corredor pouco iluminado, onde estavam as celas do prisioneiro. Estavam todas vazias, com exceção da última.
Ross estava de pé, apoiado na grade, com os olhos baixos.
Quase me emocionei ao vê-lo.
Me aproximei e dei um beijo rápido na testa dele. Ele levantou a cabeça, surpreso.
Vi seu rosto se iluminar ao me ver, tanto por ter sentido a minha falta como por achar engraçada a minha “fantasia” de Lauren Fox.
Olhei para Scorpion e voltei a pressionar a arma contra a nuca dele.
- Abra a cela. Agora.
Ele tirou um molho de chaves do bolso do casaco e abriu a cela. Ross veio para o meu lado.
Olhei em volta.
Nenhum sinal de sentinelas.
- Eu sabia – murmurou Ross no meu ouvido. – Que você ia perceber. Que você ia saber que aquele não era eu...
Sorri, mas aquele instante de distração me custou caro.
Scorpion aproveitou para pegar a arma da minha mão, e eu escutei o estalo nítido quando ele destravou a pistola.
Me joguei na frente de Ross, tentando proteger meu namorado dos tiros, que causariam menos estrago em mim.
Mas Scorpion não atirou contra a gente.
Ele apenas nos olhou.
- Vocês conseguiram. – Disse ele, sem nenhuma emoção. – Acabaram com três dos meus planos e continuam juntos. Não há mais nada que eu possa fazer. Eu fracassei.
A expressão dele era tão vazia, que eu quase tive uma pontinha de pena daquele homem. Vi no rosto dele o peso do fracasso, a humilhação...
Era mais do que o orgulho dele poderia aguentar.
Então ele levou a arma até a cabeça e apertou o gatilho antes que Ross e eu tivéssemos tempo de esboçar qualquer reação.
E esse foi o fim de James P. Scorpion, meu pior inimigo.
Até agora.

***
O tiro ecoou pelo prédio e fez com que vários homens viessem até nós.
Mesmo que eu, Ross, André e os lobos lutássemos, eles acabaram nos arrastando até o saguão.
Sabiam que Scorpion tinha se suicidado, mas isso não os impediria de tentar acabar com a nossa raça.
Um deles, um cara grisalho, se aproximou devagar, enquanto os outros discutiam sobre o que fazer conosco.
O homem grisalho olhou para Ross, e eu percebi que eles se conheciam.
- Como está, Ross? – Perguntou ele.
- E aí, Jorge? – Respondeu Ross, com um meio sorriso.
Jorge também sorriu, e chamou a atenção dos outros caras.
- Primeiro, vamos ler o testamento de James Scorpion, e ver quem ele indica para ser o novo líder. Então ele poderá decidir o que fazer com os forasteiros.
Jorge abriu um documento e leu as poucas linhas formais do testamento.
Quando ele terminou, estavam todos pasmos.
O indicado de Scorpion para novo líder da Liga do Escorpião... Era Ross.

CONTINUA

4 comentários:

  1. Oi ...

    Só passando pra convidar você a participar do selo minha carta para você

    Link do selo http://luciano-aod.blogspot.com/2011/10/carta-pra-voce.html

    Ate mais

    ..::Luciano Barbosa::..

    ResponderExcluir
  2. Adoreiiii, a Stacy de uma forma meio torta conseguiu acabar com o James
    bem feito pra ele HEHE
    Ameiii muito
    Mas apos a terceira temporada, vai ter a quarta?
    ( Aqui, torcendo para que sim)
    bjinhos

    ResponderExcluir
  3. Amei finalmente Scorpion morreu!
    Ficou ótimo!!!
    bjssss...
    até a próxima!

    ResponderExcluir
  4. Oi... eu não quis ler err... é que conheci seu blog agora, então tenho que ler as outras partes primeiro né? Mas pelo o que vi, gostei bastante e já estou te seguindo!
    Eu não participei das comunidades do Orkut porque não tenho orkut, ok? Rs'
    xo,
    Sabrina
    (coisasdabaixinha.blogspot.com)
    ps. Se puder dar uma visitinha, eu agradeço.. (propaganda é a alma do negócio ^^)

    ResponderExcluir