domingo, 5 de maio de 2013

O RAPAZ QUEBRADO

   Todo dia de manhã ele entra no trem lotado, seus olhos estão baixos, seu corpo curvado, quase um jovem-velho. Ou um velho-jovem?
Tudo o que se sabe é que o Rapaz Quebrado já começa o dia se sentindo derrotado, e mesmo assim levanta da cama, deixa o café da irmã caçula pronto, e sai para lutar.
A vida é uma guerra.
E o Rapaz Quebrado é um soldado que morre nela todos os dias.
Sua tatuagem do Batman no braço não é mais sua proteção, agora escondida por camisas de escritório. Seus piercings no rosto não moram mais lá.
A gravata é a corda no seu pescoço, com a qual o enforcam todos os dias.
Junto com o cheque de salário mínimo, descontando benefícios maléficos, vêm as palavras do chefe.
Filho, você deveria ser mais grato.
E daí que você estuda e trabalha, e só dorme cinco horas por noite?
E daí que você tem tantas responsabilidades e despesas, que nem pode almoçar e quase nunca traz marmita?
E daí que seus pais morreram naquele incêndio, e agora você mora com a sua irmãzinha e com a avó aposentada?
E daí que você nunca mais sorriu, nunca mais foi jovem, nunca mais namorou, nunca mais subiu em um skate?
Você tem uma vaga nessa incrível multinacional.
Então chegue na hora, seja o estagiário perfeito, traga meu café, desamasse a camisa.
Essa é uma oportunidade de ouro.
Se mate por nós, e nós sorriremos pra você, com um pouco de nojo do seu suor operário.
Faça parte do nosso exército. Eu sou seu líder, o presidente da empresa é o seu Deus.
O Rapaz Quebrado só escutava.
Às vezes se cansava, tirava os fones de ouvido do bolso e fingia ser quem ele fora antes, se entregava ao som das músicas agitadas, e chorava por dentro, já que por fora seus olhos estavam cansados demais.
Ele havia caído de paraquedas naquela cidade.
Não tinha mapa, bússola ou direção. 
   O Rapaz Quebrado viu os pais serem enterrados em caixões lacrados. Segurou a irmã pequena que chorava. Viu seu mundo desabar.
Seus amigos ficaram pra trás. Estava em um lugar em que ninguém o conhecia, ninguém o notava, ninguém sabia por que ele estava tão quebrado.
A avó não se lembrava de perguntar, a irmã ainda não entendia.
As oportunidades acabaram.
Só sobrou uma escola, só sobrou um emprego.
Dele, só sobraram pedaços.
O Rapaz Quebrado já não tinha esperança.
Todo lugar que ele ia, toda vez que ele tentava sorrir, toda vez que ele pensava em recomeçar com mais fé... Ele se lembrava dos rostos dos seus pais. De todos os seus medos. E do quanto eles haviam lutado para dar uma boa vida para ele e para a irmã.
Mas e agora?
Dois cadáveres carbonizados e dois órfãos.
Há algum tempo atrás, o Rapaz Quebrado esperou, procurou, torceu, sonhou com uma melhora.
Mas ele sabia o fim dessa história.
Nada nunca vai voltar a ser como antes. Nada.
O Rapaz Quebrado se dirigiu para o banheiro da empresa. Arregaçou as mangas, afrouxou a gravata, molhou o rosto com água fria.
Viu seu reflexo cansado no espelho.
Sabia que era um herói, mas só ele sabia.
Pensou no prédio gigante onde estava, e mais uma vez o comparou mentalmente com o prédio onde seus pais trabalharam a vida inteira.
Outra multinacional, mas aquela virou cinzas. Aquela foi engolida pelas chamas do inferno.
O Rapaz Quebrado ascendeu um isqueiro.
Então era assim que tudo acabava?
Era assim que se quebrava centenas de famílias, de filhos tatuados, era assim que vidas mudavam para sempre, e pra muito, muito, muito pior?
Olhou para a chama do isqueiro por alguns minutos.
Depois deixou-a se apagar.
Não, melhor não. Hoje não.
A hora do almoço já estava terminando.
Saiu do banheiro. O escritório estava vazio.
Ele não resistiu.
Pegou do bolso da camisa a caneta preta de ponta porosa.
Escreveu, em letras colossais, no principal quadro de avisos do setor:

AO BANDO DE FILHOS DA MÃE QUE SÓ SE IMPORTAM COM O PRÓPRIO RABO: ESTOU OBSERVANDO VOCÊS.
VOCÊS SÃO DE MERDA. VÃO TODOS SE FERRAR.
E EU SOU O BATMAN.

O Rapaz Quebrado guardou a caneta no bolso novamente.
Respirou fundo. Se sentiu um tantinho mais leve.
A guerra continuava, mas naquele dia o Rapaz Quebrado conseguiu se salvar, e voltou inteiro para a sua pátria.

Um comentário: